Ferramentas auxiliam na escolha de vidros

segunda-feira, 23 de abril de 2012 - por sustentax

A Cebrace possui em seu site algumas ferramentas gratuitas para ajudar o profissional escolher melhor o vidro, de maneira rápida e prática. É uma dica importante para os que estão em busca de novas soluções.

O programa Cálculo Solar fornece opções de vidros de acordo com necessidades específicas de passagem de luz, calor e isolação térmica.
O programa para Cálculo de Espessura, desenvolvido de acordo com as normas brasileiras ABNT NBR 7199 e NBR 6123 e segue algumas recomendações da norma francesa da DTU – 39, auxilia no cálculo de espessura de vidros aplicados em fachadas, coberturas, visores de piscina, aquários e pisos de vidro.
Para utilizar o serviço é preciso fazer um cadastro no site. Acesse a página de facilidades para os clientes

Dicas para a escolha de fechaduras e a adoção de ações preventivas para aumentar a segurança de residências

segunda-feira, 16 de abril de 2012 - por sustentax

A PADO, líder do mercado nacional de cadeados e fechaduras de alto padrão, relaciona algumas dicas na hora de escolher as fechaduras adequadas, com atenção especial para o quesito segurança.   A escolha certa garante a eficiência e a durabilidade do dispositivo.

Tráfego: antes de optar por um modelo, veja o item tráfego, isto é quantas vezes a porta é aberta. A escolha do dispositivo deve respeitá-lo, de maneira a evitar desgaste e corrosão, aumentando a durabilidade e melhorando a segurança. Existem opções de modelos para as necessidades de todos os tipos de tráfego: leve, moderado e alto.

Porta: a escolha da fechadura deve ser adequada também ao tipo de porta. Para a entrada das residências, por exemplo, recomenda-se modelos mais  resistentes, como as de metal ou madeira.

Manutenção: deve-se realizar vistorias periódicas para averiguar se os dispositivos estão em perfeitas condições de uso. A vistoria preventiva tem tanta importância quanto a instalação de uma fechadura apropriada para cada local e situação.

Marcadores: , , ,

LED vs. Dicróica

segunda-feira, 09 de abril de 2012 - por sustentax

O LED é cada vez mais uma realidade nas residências, mas em que circunstâncias é mais vantajoso usá-lo no lugar de halógenas dicróicas? Para responder a esta questão, a equipe da Lâmpadas Golden comparou um modelo de halógena dicróica com um modelo de LED, já que ambas podem ser utilizadas para iluminação de destaque, complementar e em embutidos, tanto em ambientes residenciais como comerciais, restaurantes e hotéis, entre outros. Para fazer essa comparação, foi considerado que os dois tipos de lâmpadas podem ser aplicados nos mesmos locais e com as mesmas finalidades. Os quesitos em que elas se diferenciam mostram que podem dar diferentes efeitos como resultado.

O modelo escolhido para esta comparação com a halógena dicróica foi a Ultra LED MR 16 da Lâmpadas Golden. Quando o quesito é economia, o LED vence com grande vantagem. Com potências de 6 e 50W, respectivamente, o sistema LED chega a economizar 88% sobre a dicróica.

Mas quando o assunto é reprodução de cor, por enquanto a dicróica apresenta vantagem, visto que sua tecnologia permite a fidelização das cores dos objetos.

Outro detalhe é o calor emitido pela lâmpada. As dicróicas emitem 60% do calor para o espaço entre forro e teto, incluindo a luminária e 40% para o ambiente. Já o LED joga 100% do seu calor para trás e o aquecimento gerado no ambiente é bem menor que o da dicróica, por ter uma potência bem menor e um dissipador de calor.

Veja os detalhes da comparação no quadro abaixo. Se não está familiarizado com os termos técnicos, temos abaixo um glossário para consulta.

* O modelo MR 16 ainda conta com uma versão com a luz fria, com temperatura de cor de 6000 K, e intensidade luminosa de 1270 cd (1m).

Glossário:

Potência: Indica o consumo de energia, em watts (W). A energia consumida multiplicada pelo tempo de utilização é igual a energia elétrica utilizada.

Intensidade Luminosa: É a quantidade de luz emitida em uma determinada direção. Sua unidade de medida é expressa em candela (cd). Logo à frente, é sempre mostrada a distância de referência, em metros (m).

Abertura: Indica o grau (°) de abertura do feixe de luz, a angulação de onde a luz irá iluminar.

Temperatura de Cor: É a cor aparente da luz emitida por uma fonte, numa escala de 2000 a 6100 K. Em baixas temperaturas de cor a tonalidade da luz tende para o vermelho, que é conhecida como luz quente, enquanto nas altas temperaturas de cor a luz torna-se mais clara, sendo definida como luz fria. A sua unidade de medida é o kelvin (K).

 

IRC (Índice de Reprodução de Cor): Todas as cores que enxergamos sofrem influência da iluminação. A referência de luz com perfeita reprodução de cores é a luz do sol às 12h00, livre de interferência atmosférica, a qual se atribui a graduação de 100, numa escala de 0 a 100. As luzes artificiais são igualmente classificadas de 0 a 100 de acordo com a sua fidelidade ao reproduzir as cores. Quanto mais próxima do 100 estiver, melhor será a sua reprodução de cores.

Vida Mediana: Corresponde ao valor em que 50% das lâmpadas ensaiadas se mantém acesas sob condições controladas em laboratório. Esse tempo não é necessariamente correspondente à vida em serviço, já que flutuações de tensão e outras influências ambientais podem resultar no encurtamento da vida média. Na prática, pela forma que se consome uma lâmpada, sua durabilidade pode variar para mais ou para menos partindo do valor indicado pelo fabricante. Exemplo: Quanto mais se liga e desliga a lâmpada ao longo do dia, menor será sua vida útil.

Marcadores: , , , , , , , , , , ,

Jardim vertical: cultivo de plantas e hortas verticais em pequenos espaços

segunda-feira, 02 de abril de 2012 - por sustentax

Projeto Residência Sustentável terá sistema que permite cultivar plantas e até horta

O Jardim vertical ou Ecoparede, produzido e comercializado pela Ecotelhado - empresa de infra estrutura verde urbana, é composto de floreiras produzidas com plástico reciclado, colocadas uma sobre a outra.

Utiliza o sistema de hidrocultura em que as plantas são mantidas sem o substrato de terra, mas com água, argila expandida e nutrientes. Há duas opções: ornamental ou para cultivo. Neste último, inclusive, pode ser utilizado para o plantio de temperos e hortaliças. Para instalação é preciso somente pontos de luz, agua e dreno. A irrigação é automatizada e com fertilizantes orgânicos – chamada ferti-irrigação.

Entre os benefícios estão: estética, purificação do ar, diminuição da temperatura além da socialização. Em entrevista, Manuela Feijó, Diretora da Ecotelhado, explica melhor o sistema. Acompanhe!

 

Crédito: Paulo Guimarães/Casa Cor RS

 

- Quais as espécies que podem ser utilizadas na ecoparede?

Podemos usar quase todas forrações de pequeno e médio porte até pequenos arbustos desde que plantados pequenos. Recomenda-se observar se o local tem sol, sombra ou meia sombra para melhor escolha das plantas. No caso de plantas de interior, deve-se medir a luminosidade com luximetro e se necessário proporcionar iluminação artificial.

- Quais as indicações de uso da ecoparede?

O jardim vertical traz vida a todos os espaços, levando o verde ao convívio das pessoas. Pode ser usada em hospitais, escritórios, residências, lojas, bancos, repartições ou espaços públicos.

- A ecoparede pode ser usada em quais casos?

Em todos ambientes com vantagem de não tomar espaço, além de poder ser utilizado para agricultura urbana com muitas hortaliças como alface, rúcula, radite, temperos etc.

- Como é o sistema de limpeza? Há perigo de aumento de umidade e de geração de mofos?

Há aumento de umidade pela irrigação o que pode ser desejável em muitos climas. Por não utilizar substrato  orgânico ou feltro, o sistema jardim vertical canguru não apresenta mofo.

- Há necessidade de incidência solar mínima?

A incidência solar pode ser substituída pela luz artificial desde que em potência e distribuição compatível e eficiente.

- Qual o valor médio de sua instalação?

Varia de acordo com tamanho e tipo de plantas utilizadas. O tamanho pelo custo do deslocamento e mão de obra e o tipo de plantas pelo valor individual das espécies. A tendência é quanto maior a metragem quadrada, menor será o valor unitário.

- Como pedir um orçamento?

Entrar em contato pelo site www.ecotelhado.com.br

Marcadores: , , , , , , , , , , ,

Página 1 de 1
   
Publicidade
Publicidade

patrocínio

realização