Construção Sustentável


Antes e durante: acompanhe as transformações no imóvel

segunda-feira, 11 de março de 2013 - por sustentax

foto_obra_atual

Mais novidades! A reforma está possibilitando transformações expressivas ao imóvel que, a medida que o tempo passa, ganha novos aspectos e melhorias em eficiência, conforto e bem-estar. Como podemos observar e comparar, na panorâmica da cobertura (acima) e fotos do mesmo ambiente, antes de tudo começar (abaixo), o espaço já está muito mais agradável e esteticamente mais convidativo!

foto_obra_antes

 

 

Em breve, mais notícias!

Marcadores: , , ,

Etapas de uma reforma sustentável

segunda-feira, 04 de fevereiro de 2013 - por sustentax

Novidades a cada dia na reforma do apartamento do projeto Residência Sustentável.  Ambientes estão em constante transformação. Acompanhem pelas imagens.

Dois ângulos diferentes da  entrada principal, portas já instaladas, incluindo as de vidro.

hall

 Detalhe do forro 

forro

 Pastilhas aplicadas na suíte principal

pastilha

Operários trabalham na cobertura, no local em que será o ofurô

operários

Área externa da cobertura, já com os pisos colocados 

areaexterna_cobertura

Marcadores: , , , , ,

Novidades na obra do projeto Residência Sustentável

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013 - por sustentax

Após a conclusão da impermeabilização da cobertura, na semana passada, teve início, nesta semana, a  etapa de assentamento do piso linha Classic da Solarium, indicado para áreas externas. Abaixo na foto,  o piso está sendo cortado com água para evitar a dispersão de partículas no ar.

foto2

Piso Solarium – linha Classic

foto3 C

orte do piso com água para evitar poluição do ar interno

 

Antes do piso, foi aplicada uma proteção de cortiça (foto abaixo) para evitar a absorção e passagem de calor para o andar inferior.

aplicação de cortiça para isolamento térmico

Cortiça para isolamento térmico

Abaixo,  é possível verificar a parede  que foi impermeabilizada para aplicação da parede verde, da Ecotelhado.

foto4

Além disso, no piso inferior, os aparelhos de ar condicionado foram protegidos para evitar a entrada de poeiras e outras  partículas presentes em obra, foto abaixo.

foto5

No andar inferior, os pisos já foram aplicados e estão protegidos, enquanto as paredes são preparadas para receber as texturas.

foto6

 

Em breve, mais novidades, como a instalação dos metais sanitários e armários.

Marcadores: , , ,

Acompanhe o andamento das obras!

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013 - por sustentax

Nas fotos é possível acompanhar o andamento das etapas de instações dos equipamentos de ar-condicionado, vidros, portas e maçanetas, além das pastilhas nos banheiros.

Na próxima semana, teremos mais novidades!

 

obra_17012013

Marcadores: , , , , , , , ,

Referencial GBC Brasil Casa®

quarta-feira, 05 de dezembro de 2012 - por sustentax

O Projeto Residência Sustentável foi escolhido como Projeto Piloto para o processo de certificação do Selo Referencial GBC Brasil Casa® , cujo objetivo é disseminar parâmetros nacionais de sustentabilidade para residências unifamiliares ou multifamiliares, que buscam viabilidade econômica, criação de ambientes mais saudáveis, redução da extração de recursos naturais do ambiente e conscientização da demanda do setor residencial.

 

 

Marcadores: , , ,

Jardim vertical: cultivo de plantas e hortas verticais em pequenos espaços

segunda-feira, 02 de abril de 2012 - por sustentax

Projeto Residência Sustentável terá sistema que permite cultivar plantas e até horta

O Jardim vertical ou Ecoparede, produzido e comercializado pela Ecotelhado - empresa de infra estrutura verde urbana, é composto de floreiras produzidas com plástico reciclado, colocadas uma sobre a outra.

Utiliza o sistema de hidrocultura em que as plantas são mantidas sem o substrato de terra, mas com água, argila expandida e nutrientes. Há duas opções: ornamental ou para cultivo. Neste último, inclusive, pode ser utilizado para o plantio de temperos e hortaliças. Para instalação é preciso somente pontos de luz, agua e dreno. A irrigação é automatizada e com fertilizantes orgânicos – chamada ferti-irrigação.

Entre os benefícios estão: estética, purificação do ar, diminuição da temperatura além da socialização. Em entrevista, Manuela Feijó, Diretora da Ecotelhado, explica melhor o sistema. Acompanhe!

 

Crédito: Paulo Guimarães/Casa Cor RS

 

- Quais as espécies que podem ser utilizadas na ecoparede?

Podemos usar quase todas forrações de pequeno e médio porte até pequenos arbustos desde que plantados pequenos. Recomenda-se observar se o local tem sol, sombra ou meia sombra para melhor escolha das plantas. No caso de plantas de interior, deve-se medir a luminosidade com luximetro e se necessário proporcionar iluminação artificial.

- Quais as indicações de uso da ecoparede?

O jardim vertical traz vida a todos os espaços, levando o verde ao convívio das pessoas. Pode ser usada em hospitais, escritórios, residências, lojas, bancos, repartições ou espaços públicos.

- A ecoparede pode ser usada em quais casos?

Em todos ambientes com vantagem de não tomar espaço, além de poder ser utilizado para agricultura urbana com muitas hortaliças como alface, rúcula, radite, temperos etc.

- Como é o sistema de limpeza? Há perigo de aumento de umidade e de geração de mofos?

Há aumento de umidade pela irrigação o que pode ser desejável em muitos climas. Por não utilizar substrato  orgânico ou feltro, o sistema jardim vertical canguru não apresenta mofo.

- Há necessidade de incidência solar mínima?

A incidência solar pode ser substituída pela luz artificial desde que em potência e distribuição compatível e eficiente.

- Qual o valor médio de sua instalação?

Varia de acordo com tamanho e tipo de plantas utilizadas. O tamanho pelo custo do deslocamento e mão de obra e o tipo de plantas pelo valor individual das espécies. A tendência é quanto maior a metragem quadrada, menor será o valor unitário.

- Como pedir um orçamento?

Entrar em contato pelo site www.ecotelhado.com.br

Marcadores: , , , , , , , , , , ,

Como funciona o aquecimento solar de água?

quinta-feira, 29 de março de 2012 - por sustentax

O projeto Residência Sustentável tem o intuito de apresentar tendências e tecnologias sustentáveis. Entre as que serão utilizadas no apartamento está o aquecedor solar de água, produzido pela Soletrol, líder no Brasil e a maior fabricante de aquecedores solares de água do continente americano.

Acompanhe neste vídeo o funcionamento básico do aquecedor solar:

http://www.soletrol.com.br/video/?vid=MAIvD1&cat=0

A empresa apresenta várias opções de produtos, como por exemplo, o Coletor Solar Soletrol Max 3D, cuja tecnologia e design permitem captar o calor do sol em três dimensões, e o Coletor Solar Soletrol Prime Select Heat Pipe, indicado para locais de baixa temperatura, que proporciona mais eficiência e evita danos causados por geadas, até linhas compactas para quatro banhos diários.

 

 

Marcadores: , , , , , ,

Cebrace e Fanavid são parceiras do Residência Sustentável

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012 - por admin

A Cebrace é líder no mercado brasileiro do segmento de vidro plano.

 

A Fanavid é uma das pioneiras no segmento de vidros de segurança no Brasil. É certificada pelas normas ISO 14.001, OHSAS 18.001 e  ISO 9.001.

 

A Cebrace é a fornecedora dos vidros  e a Fanavid é a responsável pelo beneficiamento.

 

 

Mitos e verdades sobre o LED

sexta-feira, 03 de fevereiro de 2012 - por admin

Os sistemas de iluminação LED conquistam o consumidor e ocupam papel de destaque no mercado brasileiro de lâmpadas. Valorizada pelo consumo de energia equilibrado, esta nova tecnologia que converte energia elétrica em luz dentro de um material de cristal sólido ainda gera muita dúvida quanto à aplicabilidade.

Para esclarecer algumas dúvidas sobre o LED, o especialista em Iluminação e Design de Interiores e responsável pelo Centro de Treinamento da Lâmpadas Golden, Leandro de Barros, analisa alguns mitos e verdades que cercam o tema.

O LED pode ser aplicado em qualquer lugar.

MITO. Em nossos dias, nem sempre o LED é a melhor solução. Há questões técnicas a serem consideradas: Seu Índice de Reprodução de Cor (IRC) não é elevado, está entre 70 e 80. Por isso, o LED não é aplicável a tudo. Não é ideal, por exemplo, em espaços de destaques em loja de roupas porque não tem boa fidelização de cor. Já para iluminação decorativa ele é imbatível, pois possui cores saturadas, diversidade de ângulo de abertura e alguns modelos permitem o controle das cores.

Lâmpada LED não esquenta.

MITO. O sistema LED gera temperatura térmica durante a conversão da eletricidade em luz, porém não joga o calor para o ambiente graças ao auxílio de dissipadores que têm a capacidade de removê-los. Este é um dos aspectos que contribuem para aumentar sua vida útil. Por isso não é possível colocar o LED em luminária desenvolvida para lâmpada tradicional que ele queima.

Os LEDs duram para sempre.

MITO. Lâmpadas LED possuem uma vida longa, mas depreciam com o tempo, como qualquer outra fonte de luz artificial. Essa depreciação luminosa é prevista através de testes durante um longo período de tempo, a fim de se determinar quando uma específica porcentagem de luz é perdida. Alguns fatores contribuem para a degradação do fluxo luminoso, como variação de temperatura, variação de correntes na fonte e a eficácia de sistemas de refrigeração. Quando o sistema de LED não falha, a depreciação do fluxo luminoso é um fator importante para estabelecer o tempo de vida do produto.

Os LEDs não queimam.

VERDADE. O produto não queima, mas perde a intensidade luminosa com o tempo. Os LEDs de boa especificação têm de 20 mil a 50 mil horas de vida útil, com uma perda de fluxo luminoso de 30%. O diodo dura, mas os componentes duram menos. O calor provoca degradação do fósforo nos LEDs brancos causando uma depreciação do brilho e variação na temperatura de cor.

Sistemas com LED são muito caros.

VERDADE. Porém, o retorno do investimento em economia de energia e em manutenção é rápido, há situações em que o retorno deste investimento pode acontecer em menos de um ano. Além disso, deve ser levado em consideração que o valor do sistema já está mais barato que um ano atrás, e a tendência é esse valor reduzir mais.

Não existe lâmpada LED em tubo.

MITO. Hoje já existem modelos com formatos similares às lâmpadas tubulares com a tecnologia LED.

 

O LED pode ser instalado em um soquete comum.

VERDADE. Vários modelos já podem ser instalados no padrão brasileiro de base de rosca E27.

O LED pode ser dimerizado.

VERDADE. Mas nem todos os modelos disponíveis no mercado permitem a regulagem da intensidade de luz.

 

 

Marcadores: , ,

Dicas para escolher produtos mais sustentáveis para a sua casa e família

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012 - por admin

O consumidor ainda encontra dificuldades na identificação de produtos sustentáveis, mesmo já tendo demonstrado disposição de pagar até mais por tais produtos. O Grupo SustentaX preparou algumas dicas você analisar a sustentabilidade de produtos na hora de decisão de compra.

 1.      Prefira produtos produzidos em sua região: de forma prática, primeiramente, coloque-se na posição de São Tomé: ver para crer. Comece pela etiqueta que informa a origem do produto e verifique sua procedência. Prefira os produzidos em sua região. Evite comprar similares fabricados em outros países. Ao comprar produtos de outros países, reduz-se o recolhimento de impostos municipais e estimula-se o desemprego e a falta de serviços e infraestrutura pública.

2.      Confira a composição do produto: verifique se o que está sendo dito na frente do produto realmente consta em sua composição e você poderá ter interessantes surpresas.

3.      O que importa é o conteúdo, não a embalagem: não se deixe levar pela embalagem, se é reciclada ou não. Isso, neste momento de análise, não é importante. O que é importante é saber se o produto é agressivo à sua saúde e à de sua família. Uma prática que está se tornando comum é reduzir embalagens e aumentar o porcentual reciclado para estimular a venda desses produtos como “mais sustentáveis”. Cuidado! Nessa lista existem produtos nada ecologicamente amigáveis e outros agressivos à saúde humana.

4.      Selos Verdes são uma boa indicação: uma maneira de ajudar a identificação de produtos sustentáveis é por meio dos chamados Selos Verdes, como o selo Procel para eletrodomésticos e eletrônicos, o FSC e CERFLOR para madeiras e papéis e o SustentaX para produtos e serviços sustentáveis. Na área de orgânicos existem o IBD e EcoCert, dentre outros. Os selos são uma forma de mostrar ao mercado que passaram por análises rigorosas para a sua obtenção.

5.      Fique atento à “picaretagem verde”: identifique as estratégias usadas para passar por sustentáveis, produtos que não são:

a)      Selos emitidos pelos próprios fabricantes;

b)      Termos genéricos também são muito usados como 100% natural, 100% ecológico, eco, amigo da natureza (eco-friendly) e variações do tipo;

c) Informações sem comprovação imediata ou termos científicos. Como, por exemplo, informar que um produto, como sabão em pó, pode reduzir o consumo de água; ou então um amaciante economizar energia;

d) Informações redundantes, como testes e dados obrigatórios, como detergentes que colocam “testados dermatológicamente” ou azeites com zero de colesterol;

e) Excesso de imagens da natureza: reparem se há muito verde ou imagens de animais;

f) Falar que o produto é “neutralizado” em carbono. Desconfie da simples neutralização que não torna o produto sustentável. A neutralização é válida após a revisão e efetiva redução dos impactos ambientais da cadeia produtiva. É o final e não o começo;

g) Produtos concentrados. Só porque foi retirada a água do produto não o torna “verde”. É importante que ele não faça mal à saúde;

h) “Sem cheiro”. O importante é o fabricante demonstrar que o produto apresenta baixa toxidade, por critério reconhecido.

 6. Quando os produtos não apresentam selos de sustentabilidade, o consumidor pode procurar pelos cinco atributos essenciais de sustentabilidade:

  1. Salubridade: evite produtos com odores (normalmente esses odores decorrem de componentes orgânicos voláteis que podem fazer mal à saúde).
  2. Qualidade: procure por produtos com qualidade comprovada. Nem todas as tintas são iguais, por exemplo. Várias não têm teste de aderência e, a primeira vez que você for fazer uma limpeza, pode sair na esponja.
  3. Responsabilidade social: questione a procedência. Por exemplo, se for comprar uma areia em uma loja de construção pergunte se vem de uma empresa confiável, sem trabalho infantil, escravo…
  4. Responsabilidade ambiental: questione a procedência. Por exemplo, ao comprar objetos de madeira pergunte sobre a legalidade.
  5. Comunicação responsável: Procure por marcas nas quais você identifique ética e genuinidade na comunicação.

 

Boas compras!

 

Marcadores: , , , ,

Página 1 de 2
    Próxima 
Publicidade
Publicidade

patrocínio

realização