Telhado Verde


Sistema integrado Ecotelhado Ecoesgoto.

quinta-feira, 11 de julho de 2013 - por sustentax

 

Inédito no Brasil, o sistema acaba de ser inserido na lista de cases sustentáveis bem-sucedidos da ONU e é modelo para todo o planeta.

Mais do que o tratamento de esgoto, o sistema prioriza o reaproveitamento de água, economia de energia e tratamento dos efluentes, no qual todos resíduos orgânicos provenientes das descargas de patentes, dos restos de alimentos triturados, devem passar por um processo de purificação.

Para Brasil e países em crescimento, nos quais a estrutura de centrais de tratamento de esgoto cobre apenas 10 % do volume total de esgotos, essa é uma perspectiva alvissareira. Tudo isso sem utilizar produtos químicos e com baixa manutenção.

O conjunto de funções do Ecoesgoto pontua em todas as exigências para obtenção do certificado Leed, tais como: implantação sustentável, eficiência hídrica, energia e atmosfera, materiais e recursos, conforto ambiental, inovação e projeto e créditos regionais.

Jardim vertical: cultivo de plantas e hortas verticais em pequenos espaços

segunda-feira, 02 de abril de 2012 - por sustentax

Projeto Residência Sustentável terá sistema que permite cultivar plantas e até horta

O Jardim vertical ou Ecoparede, produzido e comercializado pela Ecotelhado - empresa de infra estrutura verde urbana, é composto de floreiras produzidas com plástico reciclado, colocadas uma sobre a outra.

Utiliza o sistema de hidrocultura em que as plantas são mantidas sem o substrato de terra, mas com água, argila expandida e nutrientes. Há duas opções: ornamental ou para cultivo. Neste último, inclusive, pode ser utilizado para o plantio de temperos e hortaliças. Para instalação é preciso somente pontos de luz, agua e dreno. A irrigação é automatizada e com fertilizantes orgânicos – chamada ferti-irrigação.

Entre os benefícios estão: estética, purificação do ar, diminuição da temperatura além da socialização. Em entrevista, Manuela Feijó, Diretora da Ecotelhado, explica melhor o sistema. Acompanhe!

 

Crédito: Paulo Guimarães/Casa Cor RS

 

- Quais as espécies que podem ser utilizadas na ecoparede?

Podemos usar quase todas forrações de pequeno e médio porte até pequenos arbustos desde que plantados pequenos. Recomenda-se observar se o local tem sol, sombra ou meia sombra para melhor escolha das plantas. No caso de plantas de interior, deve-se medir a luminosidade com luximetro e se necessário proporcionar iluminação artificial.

- Quais as indicações de uso da ecoparede?

O jardim vertical traz vida a todos os espaços, levando o verde ao convívio das pessoas. Pode ser usada em hospitais, escritórios, residências, lojas, bancos, repartições ou espaços públicos.

- A ecoparede pode ser usada em quais casos?

Em todos ambientes com vantagem de não tomar espaço, além de poder ser utilizado para agricultura urbana com muitas hortaliças como alface, rúcula, radite, temperos etc.

- Como é o sistema de limpeza? Há perigo de aumento de umidade e de geração de mofos?

Há aumento de umidade pela irrigação o que pode ser desejável em muitos climas. Por não utilizar substrato  orgânico ou feltro, o sistema jardim vertical canguru não apresenta mofo.

- Há necessidade de incidência solar mínima?

A incidência solar pode ser substituída pela luz artificial desde que em potência e distribuição compatível e eficiente.

- Qual o valor médio de sua instalação?

Varia de acordo com tamanho e tipo de plantas utilizadas. O tamanho pelo custo do deslocamento e mão de obra e o tipo de plantas pelo valor individual das espécies. A tendência é quanto maior a metragem quadrada, menor será o valor unitário.

- Como pedir um orçamento?

Entrar em contato pelo site www.ecotelhado.com.br

Marcadores: , , , , , , , , , , ,

Sua casa é sustentável?

terça-feira, 09 de novembro de 2010 - por admin

 

Faça o teste e descubra se ela foi de fato planejada, construída e decorada com menores impactos no meio ambiente, eficiente energeticamente e com mecanismos para redução do consumo de água.

Instruções: para cada pergunta responda sim ou não

ENERGIA

1. O imóvel foi planejado para ter o aproveitamento racional da iluminação e ventilação naturais e da gravidade para abastecimento de água?

2. O projeto se preocupou em garantir conforto térmico para os ambientes na maior parte do tempo, de forma natural?

3. As pinturas das fachadas são de cores claras para reduzir a absorção de calor pela estruturas?

4. O telhado tem cobertura vegetal ou foi pintado com tintas brancas de alta refletâncias, para reduzir o efeito da insolação?

5. Foi considerado aquecimento solar para água?

6. A iluminação artificial é eficiente com pelo menos 95% das lâmpadas sendo fluorescentes com baixo teor de mercúrio e/ou LED?

7. Foram colocados sensores de presença para acionamento das lâmpadas de áreas comuns internas (corredores, por exemplo) e garagens?

8. Foram instalados sensores de luminosidade para ligar e desligar as lâmpadas das áreas externas (portão, estacionamento, jardins…)?

9. Os eletrodomésticos (ar condicionado, TV, geladeira, freezer…) possuem Selo Procel nível A?

10. Os fogões e aquecedores (à gás) possuem o Selo Conpet? ÁGUA

11. Foi instalado sistema para captação de água de chuva para ser utilizada na irrigação, descarga e limpeza externa?

12. Todas as torneiras têm o Selo SustentaX ou temporizadores ou aeradores para economia de água?

13. As válvulas de descarga ou caixas acopladas são de duplo fluxo?

14. Os chuveiros possuem aeradores para economia de água?

15. O paisagismo foi projetado de modo a utilizar espécies locais de baixo consumo de água?

16. Os pisos externos, incluindo calçadas, são permeáveis?

MATERIAIS

17. Pelo menos 20% do total (em custo) de materiais empregados tiveram conteúdo reciclado?

18. Pelo menos 50% do total (em custo) dos materiais e produtos utilizados na construção e decoração foram extraídos, processados ou manufaturados regionalmente (raio de 800 km)?

19. Materiais contendo amianto foram proibidos de serem utilizados na obra?

20. 100% das madeiras utilizadas nas etapas de construção foram de origem legal?

21. Pelo menos 50% das madeiras (incluindo mobiliário) possuem o selo FSC ou Cerflor?

QUALIDADE AMBIENTAL INTERNA

22. 100% das tintas utilizadas possuíam o Selo SustentaX ou comprovação de baixa toxidade (ser a base de água não significa ser de baixa toxidade)?

23. 100% dos adesivos, selantes e impermeabilizantes utilizados possuíam o Selo SustentaX ou comprovação de baixa toxidade? Atenção: ser a base de água não significa ser de baixa toxidade.

24. 100% dos tapetes, carpetes e tecidos dos estofados possuem o Selo SustentaX ou comprovação de baixa toxidade?

25. Existem barreiras de contenção de poeira (capachos, por exemplo) em todas as entradas para reter a poeira (cerca de 75% da poeira entra pela sola dos calçados!)

26. Os locais de armazenamento de alimentos são separados dos produtos de limpeza?

RESÍDUOS

27. Durante a obra, os resíduos gerados foram corretamente separados e enviados para reciclagem?

28. Foi previsto espaço para serem realizadas coleta, separação e armazenamento seletivo de resíduos e de lixo (os recicláveis são destinados para cooperativas)?

29. Foi previsto espaço e pratica-se a compostagem?

30. Foi previsto espaço para armazenamento e destinação do óleo de cozinha para reciclagem (fabricação de sabão, por exemplo)?

Confira o resultado:

 Se você respondeu negativamente aos itens 1 e 2, infelizmente, sua casa não é sustentável do ponto de vista energético.

Até 10 respostas positivas: Sua casa ainda não é sustentável. Mas, existem alternativas que poderão contribuir para a eficiência energética e o uso racional da água no seu imóvel. Não é porque sua casa não foi construída seguindo critérios de sustentabilidade que você não pode torná-la mais sustentável. Fique atento quando for adquirir novos equipamentos ou pensar numa reforma. Faça já o que você percebeu que pode apresentar reduções de custo e bem estar para você e sua família.

De 11 a 20 respostas positivas: com certeza, você está preocupado com a qualidade de vida e com a manutenção dos recursos naturais do planeta, mas ainda não incorporou completamente a sustentabilidade em seu imóvel. Sustentabilidade é ainda muito confundida com ecologia, fique atento para os critérios que utilizará na escolha dos produtos e materiais em uma próxima reforma e prefira sempre produtos que tenham garantia de qualidade, salubridade e sustentabilidade.

A partir de 20 respostas positivas: Parabéns! Seu imóvel é sustentável e o investimento feito certamente está retornando por menores custos com energia, água e conservação já que desde o início você se preocupou com eficiência e economia. Além disso, sua família agradece por morar em um ambiente mais saudável e de melhor qualidade de vida e que vai valorizar acima do mercado!

*Teste elaborado pelo Grupo SustentaX.

Marcadores: , , ,

Parceiros do Residência Sustentável entre os finalistas do Prêmio Planeta Casa 2010

terça-feira, 21 de setembro de 2010 - por admin

  

 

Em sua nona edição, o Prêmio Planeta Casa, uma iniciativa da revista Casa Claudia e do projeto Planeta Sustentável, da Editora Abril, tem entre os finalistas parceiros do Projeto Residência Sustentável.  

Telhado verde, da Ecotelhado, concorre na categoria Materiais de Construção
 

 

Solatube, equipamento que capta, transfere e difunde a luz solar por todos os ambientes internos, é finalista também da categoria materiais de construção.

  

  

Pastilhado de macieira, da Seivarte, no ambiente criado por Karla Cunha, finalista da categoria Design de Interiores.

  

Os vencedores serão conhecidos na edição de outubro da revista CASA CLAUDIA. 

 Fotos: Planeta Casa

Como planejar, implantar e manter um jardim?

segunda-feira, 19 de julho de 2010 - por admin

Confira entrevista com os profissionais da Casa de Projetos, Ângela Lucena e Ortiz e Herbert Ortiz, responsáveis pelo projeto de paisagismo do Projeto Residência Sustentável.

No Projeto Residência Sustentável, entre os desafios da equipe de paisagismo estão recuperar a paisagem, conectar os moradores à natureza, harmonizar o ambiente com o clima e reduzir incidência de barulho e poluição no imóvel, localizado na alameda Franca, em São Paulo/SP, próximo a vias de tráfego intenso.  “O principal objetivo é transformar a cobertura, atualmente bastante árida, em um ambiente acolhedor, com o uso de plantas nativas, como palmito juçara, filodendro, helicônia, maracujá, para beneficiar também aos pássaros no entorno; e proporcionar à família o cultivo de uma mini-horta integrada à cozinha gourmet, permitindo o prazer de receber os amigos para cozinhar e colher temperos e ervas frescos”.

Além da integração à sustentabilidade, o projeto segue orientações de feng shui (harmonização ambiental) e utilizará avançadas tecnologias para captação de água de chuva para irrigação e limpeza, uso de cobertura verde para colaborar na redução do efeito de ilhas de calor, automação para irrigação, entre outros.

  

Quais os principais benefícios que trazem os jardins bem planejados quando falamos de uma residência?

Os jardins residenciais podem colaborar na redução da pressão e do estresse tão comuns atualmente, gerando saúde e felicidade aos moradores.

Nas grandes cidades, estamos sujeitos aos males da vida cotidiana – barulho, trânsito, poluição – e nosso lar representa um refúgio de beleza e bem estar os jardins podem ser alternativa para relaxar e aproximar a natureza do dia a dia.

Assim, por meio de um planejamento correto, é possível criar espaços harmoniosos e mais funcionais, acolhedores e esteticamente agradáveis, com o intuito de incentivar a interação do homem com a natureza.  Além desses aspectos, os jardins podem contribuir bastante para dar equilíbrio térmico às construções de modo a propiciar um ambiente aprazível no conceito de conforto ambiental.

Como um projeto de paisagismo contribui para a sustentabilidade?

A sustentabilidade deve ser parte integrante do processo de criação, com os  objetivos básicos de evitar ou minimizar os impactos sobre a natureza, conservar os ecossistemas, utilizar recursos renováveis, reciclar resíduos e valorizar o potencial humano.

O jardim residencial planejado é peça fundamental para cumprir esta função pois além de melhorar a qualidade de vida por meio da transformação criativa do uso dos espaços, pode ser ferramenta para minimizar as variações do clima, seja utilizando a vegetação como elemento para proteção do excesso de insolação e carga térmica, ou aumentando a permeabilidade do solo para penetração das águas de chuvas, somente para citar dois exemplos. 

O paisagismo integrado à arquitetura pode minimizar efeitos de ilha de calor e reduzir as necessidades de gastos com ar condicionado.

Quais fatores devem ser levados em conta no planejamento de um jardim?

Antes da criação, da composição dos ambientes, da escolha dos materiais, da distribuição e definição das espécies, deve-se analisar com os moradores os seguintes itens:

  • Necessidades e desejos:  Será um jardim de descanso e contemplação? Um jardim para atividades esportivas? Para lazer de crianças? Para fornecer alimentos? Um jardim terapêutico? Para melhorar o conforto térmico?
  • Espaço disponível: Qual a área? Já existe vegetação no local? O jardim é interno ou externo? Sobre solo ou sobre laje?
  • Condições ambientais: Quantas horas diárias de sol? Qual o tipo do solo? É possível captar água de chuva? Há abundância de água para irrigação? Qual a vegetação nativa da região? E a fauna?
  • Manutenção: O morador tem como hobby a jardinagem? Qual a frequência para contratar um jardineiro? Costuma se ausentar por grandes períodos deixando o jardim sem cuidados?
  • Investimento: Qual a verba disponível para implantação do jardim? E para manutenção? Há vontade de participar do plantio e dos cuidados? Pode dispor de recursos para implantar sistemas complementares de irrigação, iluminação, automação eficientes?

  

Opção de ecoparede da Ecotelhado, parceira do Projeto Residência Sustentável

Sobre a Casa de Projetos Arquitetura e Design

Escritório de prática multidisciplinar especializado em desenvolvimento de projetos paisagísticos, integração e compatibilização de projetos e elaboração de projetos executivos. Com trabalhos desenvolvidos desde 1996 nos setores de comércio e serviços, residências, indústrias, hotéis, e áreas de lazer públicas e privadas, buscando soluções criativas, práticas e econômicas. Os projetos visam a harmonia arquitetônica para a melhor qualidade de ocupação e uso dos espaços.

 São sócios do escritório os arquitetos e urbanistas Herbert Silva Ortiz, formado pela Faculdade de Belas Artes de São Paulo e Ângela Lucena e Ortiz, formada pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Soluções para melhorar o conforto térmico dos ambientes

segunda-feira, 05 de julho de 2010 - por admin

Tradicionalmente, nas reformas de residências, a questão térmica é uma das últimas etapas, restando ao projetista de ar condicionado adequar-se à situação já definida, provocando assim carga térmica elevada, alto consumo de energia e até a inviabilidade do projeto”, explica Luiz Fernando Bueno, engenheiro da LFB, responsável pelo projeto de climatização do Residência Sustentável.

Para o engenheiro, quando as equipes trabalham integradas, pode-se debater e encontrar soluções que permitam melhorar a circulação de ar e a diminuir a radiação solar como, por exemplo, projetar ambientes com ventilação cruzada, reduzir a área envidraçada sem prejudicar a iluminação natural, proteção interna ou externa de fachadas críticas (envidraçadas) por meio de brises e persianas, entre outros. 

O mercado já oferece também algumas soluções que colaboram para a redução da carga térmica:

Películas para vidros:

A linha Prestige de películas para vidros da 3M é uma opção que alia o  equilíbrio entre a iluminação natural e o bloqueio de excesso de energia solar no ambiente interno.  Desenvolvida a partir de nanotecnologia, a película é composta por 242 camadas e promove o bloqueio de 97% de raios infravermelhos e 99,9% dos raios ultravioletas.

  

“A aplicação dessa solução resulta em melhor conforto térmico e na redução do consumo de energia elétrica além de promover uma maior proteção ao mobiliário” afirma Renata Martins, gerente de desenvolvimento do mercado de construção da 3M do Brasil.

 Persianas

Conforto térmico, maior iluminação natural, menor ofuscamento, vista para o exterior são as características da persiana  “Rolô Uniflex com Tecido SilverScreen”. 

 

“A persiana rolô Silverscreen-Uniflex® é um produto de alta performance em proteção solar, composto com tecido de trama especial, aluminizado na parte externa que proporciona a diminuição do calor, redução no gasto de energia no ar condicionado e transparência com conforto visual (brilho), com baixa absorção solar,  grande reflexão solar e pequena transmissão solar”, explica Luiz Gaspar Rego, diretor comercial da Uniflex.

Telhado verde

Outra alternativa é a cobertura ecológica, implantada pela empresa  Ecotelhado, especialista em infraestrutura verde. Este sistema funciona como um isolante térmico, retardando o aquecimento dos ambientes durante o dia e conservando a temperatura durante a noite. Além de isolar o calor, absorve cerca de 30% da água da chuva.

 

Atenção também ao escolher os equipamentos deve-se optar pelos que possuam o Selo Procel nível A, que indica baixo consumo de energia.

II Workshop Residência Sustentável

segunda-feira, 31 de maio de 2010 - por admin

 

No 17/06/2010, o Grupo SustentaX e os parceiros Cilene Monteiro Lupi Studio, Giacometti Projetos, LFB Engenharia, Sociedade Feng Shui, Casa de Projetos, Marbie Systems e PROASSP Assessoria E Projetos  apresentarão as plantas e estudos desenvolvidos para o Projeto Residência Sustentável, no II Workshop Residência Sustentável.

O intuito é mostrar todas as implicações e soluções inerentes de um projeto integrado que tem como foco a sustentabilidade.

Horário: 9h às 12h

Local: Av. Brigadeiro Luiz antônio, 2.344, 9º andar (entre a Av. Paulista e a Al. Santos)

RSVP: residenciasustentavel@sustentax.com.br

Como tornar sua residência mais sustentável?

quinta-feira, 27 de maio de 2010 - por admin

Tornar uma residência mais sustentável requer mudanças tanto de comportamento como também de instalações, produtos e materiais.

Para quem está pensando no assunto, a equipe do Residência Sustentável sugere algumas soluções para diminuir os gastos de energia e de água,  para melhorar o conforto térmico e ainda garantir a qualidade ambiental do ar interno, entre outras.

Na ilustração é possível visualizar as sugestões e como elas podem ser aplicadas:

  • tintas, impermeabilizantes, papéis de parede e adesivos com baixa toxidade para não prejudicar a saúde de sua família;
  • aquecedor solar de água para economia de energia;
  • blocos cerâmicos de encaixe que dispensam cimento para fixação;
  • cobertura vegetal: isolante térmico, retardando o aquecimento dos ambientes durante o dia e conservando a temperatura durante a noite; 
  • fechaduras em aço inox, dispensando acabamento em cromo que polui o meio ambiente;
  • lâmpadas LED ou outros tipos econômicos e com baixo teor de mercúrio
  • metais sanitários eficientes para economizar água;
  • mobiliário  com conteúdo reciclado ou de madeira com Selo FSC (manejo sustentável);
  • películas para vidro para redução do calor solar e persianas com tela solar de  alta tecnologia que permite iluminação natural e a criação de ambientes com conforto térmico e visual;
  • produtos com o Selo SustentaX que atesta a sustentabilidade com qualidade;
  • pisos e revestimentos a partir de materiais rapidamente renováveis (como bambu),  com conteúdo reciclado, com madeira certificada;
  • Selo Procel (nível A) para eletrodomésticos; Selo Conpet para equipamentos à gás;
  • sistemas que permitem levar iluminação natural a ambientes internos de maneira eficiente;
  • tapetes e tecidos com conteúdos reciclados;
  • ventilação natural e cruzada.

Marcadores: , , , , , ,

Parceiros do Projeto Residência Sustentável

sexta-feira, 30 de abril de 2010 - por admin

Residência Sustentável na Tenda de Inovação da Casa Alemã, no Parque do Ibirapuera

sexta-feira, 16 de abril de 2010 - por admin

Na última quinta-feira, 15/04, o Projeto Residência Sustentável foi apresentado no Seminário de Eficiência Energética da Câmara Brasil Alemanha, na mostra Casa Alemã: a Casa Ecoeficiente, no Parque do Ibirapuera, em São Paulo/SP.

Paola Figueiredo apresentou os desafios deste projeto, profissionais envolvidos e produtos sustentáveis que serão utilizados, ressaltando a importância da utilização de selos como Procel, FSC e SustentaX para a escolha de produtos mais eficientes e com responsabilidade socioambiental.

Na platéia, estavam presentes representantes das empresas parceiras Solatube e Sinnen, além de profissionais do setor de energia.

Página 1 de 2
    Próxima 
Publicidade
Publicidade

patrocínio

realização